Aprendizado não supervisionado: O que seu cão faz quando você não está em casa?

É muito comum vermos textos falando sobre a necessidade que os cães tem de espaço, liberdade, e acesso à tudo, mas hoje, quero convidar vocês a fazer uma reflexão importante: o que seu cão faz nesse espaço sem supervisão?

No contexto urbano todos nós temos responsabilidades, horários a cumprir, compromissos diversos que nos deixam ausentes de casa por longos períodos, criando assim um ambiente sem supervisão e orientação para nossos cães. Mas vocês já se perguntaram o que seus cães fazem na sua ausência? Muitos de nós já ouvimos depoimentos sobre cães que destroem a casa, comem o sofá, derrubam as plantas, sobem na mesa da cozinha e por ai vai. Os detalhes são infinitos mas a causa é a mesma: liberdade não supervisionada.

Os cães são criaturas de hábitos, por isso, só porque você não está em casa não significa que seu cão não está aprendendo alguma coisa. O problema é que, sem sua orientação, o cão provavelmente vai fazer as escolhas erradas, e essas escolhas viram hábitos que podem ser um problema. Em resumo, tudo que seu cão pratica na sua ausência é um aprendizado não supervisionado, que tende a se tornar cada vez mais sólido conforme ele pratica. Seu sofá, suas plantas, seus móveis, passam a fazer parte da dinâmica destrutiva que cria o comportamento negativo.

Vale lembrar que esse comportamento não está apenas relacionado a falta de atividade física. Muitos cães que são bastante ativos e caminham horas por dia também são capazes de apresentar o mesmo comportamento destrutivo sem supervisão.

Mas qual é a solução? A solução é prevenir,  limitar o espaço, de preferencia usando a caixa de transporte. Eu sei que muitas pessoas ficam assustadas com essa ideia e já tem um conceito negativo formado em relação ao confinamento, mas a verdade é, essa é uma percepção humana distorcida, já que para nós a limitação de liberdade soa como prisão, mas a verdade é, quando usamos o confinamento na rotina dos cães, temos mais responsabilidade dentro da rotina deles, temos que fazer parte do contexto, temos que definir horários para caminhadas, treinos, alimentação, ou seja, compromisso real, e isso é o que muitos de nós humanos queremos evitar.

Vamos avaliar dois cenários, um com o uso da caixa de transporte e ou sem o uso;

1.      Usando a caixa de transporte: Nessa rotina, nós humanos temos que acordar mais cedo para exercitar o cão antes de ir trabalhar, ter certeza que ele usou o banheiro, se alimentou, bebeu água e vai ficar na caixa de transporte até a sua volta. Assim que chegamos em casa, levamos o cão pra mais uma caminhada longa, fazemos treinos de condicionamento, supervisionamos o ritual da alimentação, e o damos direção no comportamento doméstico. Antes de dormir temos certeza que o cão fez suas necessidades, e colocamos ele de volta na caixa de transporte, ou no local adequado para dormir.

2.    Sem o uso da caixa de transporte: Nessa rotina não há obrigação, já que o cão tem toda liberdade pra fazer o que quer. O cão dorme aonde quer, acorda a hora que quer, usa o banheiro aonde e quando quer, come quando quer. A rotina de atividades físicas não é tão consistente porque o cão tem mais espaço e não priorizamos o exercício, por isso muitos desses cães não caminham, não tem orientação e treinos diários e passam maior parte do seu tempo sozinhos sem saber o que fazer naquele ambiente.

Nessa comparação usei os dois extremos para mostrar que o uso da caixa de transporte traz muita responsabilidade e compromisso, por isso nós humanos tendemos a não quere usar e optar por mais permissividade no manejo com cães. Existem variáveis entre uma opção e outra mas, o problema não está no uso da caixa de transporte como mecanismo de prevenção e confinamento, o problema está na capacidade de compromisso e dedicação que temos para com a rotina dos nosso cães.

Não basta investir no melhor programa de treinamento possível para nossos cães se quando não estamos presentes, permitimos que o cão pratique tudo que não queremos. O confinamento na nossa ausência é necessário para a maioria dos cães, e pode ajudar bastante no condicionamento de um estado mais calmo e tranquilo.

Cães conquistam mais liberdade conforme aprendem o que fazer em cada situação, e isso leva tempo. Durante o processo de aprendizado é necessário que existam limites e regras na vida do cão, e confinamento parcial ao longo do dia é uma peça essencial nesse processo.

Se você passa mais de 10 horas consecutivas fora de casa, considere um serviço de passeio para o seu cão, assim ele pode ter a oportunidade de fazer mais uma rodada de atividade física supervisionada na sua ausência, enriquecendo mais a rotina e possibilitando mais aprendizado, mas nada disso substitui o seu papel como orientador participativo desse processo.

O uso da caixa de transporte pode ser grande contribuinte para a formação do comportamento ideal, e deve ser feito dentro de uma rotina completa com atividades físicas, treinos de condicionamento diários e liberdade bem orientada e supervisionada.