O perigo do reducionismo – contra condicionamento de cães medrosos.

Trabalhar com cães medrosos e inseguros é talvez um dos maiores desafios na arena de comportamento canino e adestramento. Muitos desses cães tem características difíceis e retraem com muito facilidade.

Pensando nesse tema, encontrei um artigo muito bacana, escrito por Tyler Muto, um excelente profissional que trabalha em Buffalo, NY, EUA. Além de estar a frente do seu próprio centro de treinamento chamado, K9 Connection, Tyler também contribui com artigos, cursos e vídeos para o website da Leerburg, uma das maiores e mais respeitadas empresas que fabricam e comercializam os melhores produtos para adestramento e treinamento de cães. 

Esse artigo foi escrito por Tyler e publicado no blog da Leerburg em Maio de 2017. Para ler o artigo original em inglês, clique aqui. Boa leitura!


Uma das muitas estratégias recomendadas pelos treinadores de cães convencionais para ajudar um cão a superar o medo de novas pessoas é contrabalançar a condição do cão (contra condicionamento), fazendo com que novas pessoas se aproximem e deem aos cães petiscos. Esta não é uma estratégia que eu pessoalmente emprego com muita frequência e aqui está o porquê:

Vamos colocá-lo em um contexto humano. Digamos que eu tenha motivos para acreditar que estranhos não são confiáveis. Junto vem essa nova pessoa, que se aproxima sem ser convidada e diz "Ei Tyler, venha ficar por aqui ... Eu vou te dar um dólar ;-)" A oferta de um dólar é improvável que me faça sentir confortável com essa nova pessoa, ou a faça ganhar minha confiança. Na verdade, isso aciona sinais de alerta em minha mente porque é um pouco reminiscente da "van Free Candy"... É um pouco assustador.

Agora, digamos que eu estivesse na mesma sala com essa pessoa, mas em vez de tentar subornar minha confiança, ele reconheceu que eu estava desconfortável. Ele me deu o meu espaço e foi sobre fazer o que quer que ele tenha decidido fazer. Ou talvez ele apenas sentou-se, aproveitou um pouco de tempo para si mesmo e deixou-me fazer o que eu devia. Talvez ele ocasionalmente olhasse para mim, reconhecendo minha presença de um modo não-conflituoso, e então novamente me dava o espaço que eu precisava para me sentir livre da ameaça.

No primeiro exemplo, o ato aparentemente inócuo de tentar me dar um dólar só aumentou meu desconforto. Isso indicava que havia uma expectativa minha, um tipo de pressão social. A pessoa estava tentando me puxar, mas aquele ato de puxar só me dava algo contra o que empurrar.

No segundo cenário, não há pressão. A pessoa mostrou através de seu comportamento que ele entende, e ele está bem com o fato de que eu preciso de algum espaço. Não há expectativa, e essa falta de expectativa cria uma abertura que eu posso livremente escolher explorar.

Eu quero levar o segundo cenário adiante, mas primeiro, vamos voltar a usar um cachorro para o exemplo, com o "eu" sendo o papel do estranho.

Então, o cachorro está nervoso, e eu estou na mesma sala, mas tenho dado espaço e expectativa zero. A curiosidade social natural do cão pode motivá-lo a explorar e experimentar. Ele pode se aproximar, pausar e depois se afastar. Eventualmente, ele chega a vários metros e o ar fareja. Quanto mais o tempo passa, ele começa a se tornar neutro à minha presença.

A partir daqui, uma das duas coisas pode ocorrer ao longo do tempo (às vezes isso leva horas ou até várias sessões ao longo de vários dias). Talvez neste momento, quando o cão escolhe sozinho aproximar-se, casualmente e sem dizer nada, eu jogo uma guloseima no chão e depois volto ao que estava fazendo. Depois de várias repetições disso, o cão começa a preferir ficar perto de mim enquanto eu lanço guloseimas em sua direção. O núcleo de uma ligação é formado.

Alternativamente, talvez eu note que o cachorro realmente quer sair, então eu abro a porta para deixá-lo sair. Ele caminha até uma árvore para farejar. Depois que ele passa, eu ando até a mesma árvore e dou uma olhada ao redor. O cachorro mostra interesse em um graveto, então eu pego um e jogo, de uma forma que mostra que eu compartilho a alegria do cachorro por gravetos. O que eu estou comunicando é que estou interessado nas mesmas coisas que ele, e estou disposto a seguir o exemplo dele e engajar nas atividades que ele escolhe. Não estou interessado em mudar seu comportamento, estou tentando aprender mais sobre ele e entendê-lo.

Se o cão é um verdadeiro comilão, a opção de jogar algumas guloseimas (quando ele está pronta e se aproximou sozinho) tem uma boa chance de funcionar. “Petiscos! EU AMO!” Este cão exclama.

Mas nem todos os cães são tão entusiastas por comida. Alguns cães gostam de farejar, alguns gostam de passear mais que tudo, alguns gostam de gravetos, etc.

Se olharmos para cães como simples máquinas de entrada / saída no sentido puramente operante, parece que as técnicas típicas de contra condicionamento deveriam funcionar. Mas há um perigo em reduzir os cães a essa visão simplificada. Não devemos ignorar o fato de que, como seres humanos, nossos cães pensam, sentem, ficam com raiva, ficam solitários, têm motivos, instintos, problemas de confiança, problemas de apego, angústia e todo o espectro colorido das emoções. Para ser justo, até o segundo cenário que delineei é uma forma de contra-condicionamento, mas é aquele que leva em conta o cão como um indivíduo único. Honrar o cão é dar a ele a soberania de nos avisar quando ele estiver pronto para se envolver. Isso respeita as qualidades dinâmicas exclusivas dos cães que nos deram o privilégio de evoluir ao lado deles por dezenas de milhares de anos.

Embora eu pessoalmente ache importante que nós, instrutores, tenhamos uma firme compreensão da ciência do treinamento canino, não nos permitamos ficar muito longe do espírito de simplesmente estar com um cachorro, nos esforçando para entender cada indivíduo pelo que faz deles únicos, mostrando compaixão através de nossas ações, e deixando nosso coração nos guiar.

- Tyler Muto

Abaixo vocês podem ver um dos casos recentes, de um cão medroso e inseguro, que está sendo trabalhado no centro de treinamento do Tyler.