Quando a energia calma e assertiva não resolve, o que devo fazer?

Quando falamos em comportamento canino, reabilitação e modificação comportamental em cães, sempre ouvimos falar sobre a importância da energia calma e assertiva. Ter uma boa energia, sem dúvida, ajuda muito no processo, mas em muitos casos, não é o suficiente para alcançar o resultado desejado.

Hoje vamos ver alguns cenários práticos aonde, apenas a energia calma e assertiva não é o suficiente e o uso de ferramentas (coleira eletrônica ou prong collar) pode ser mais eficaz para materializar a mudança comportamental nos cães.

 

1.      Cães agressivos: só quem já teve ou trabalhou com cães agressivos sabe o quanto é difícil lidar com eles, principalmente nos momentos de intensidade. Muitos desses cães são extremamente resistentes fisicamente falando, e quando estão diante de seus desafios, tendem a ignorar tudo ao seu redor. Nesses casos, é sempre importante estar calmo e ter objetividade no plano de ação, mas, o que de fato vai fazer a diferença na mudança desse comportamento é a capacidade que você, humano, vai ter de intervir. Se você contar apenas com a sua energia, provavelmente vai se ver diante de um desafio físico com o cão, ou seja, você vai ter que fisicamente intervir, e poucas pessoas tem essa capacidade.

2.    Cães possessivos: esses são casos extremamente perigosos, aonde um movimento errado pode, de fato, causar um acidente sério. Muitos cães com esse comportamento precisam de um forte contra condicionamento diante dos seus objetos de posse, e ao longo do processo será preciso recriar o cenário várias vezes até que o cão entenda como deve agir. Tentar fazer esse processo apenas com o uso de uma energia calma e assertiva, pode ser muito perigoso, e sem o uso de uma ferramenta eficaz, você vai se ver sem muitas alternativas a não ser usar objetos como escudo ou arriscar intervenções manuais, que podem ou não funcionar.

3.    Cães reativos: a reatividade pode estar relacionada a outros cães, outros animais, pessoas, crianças, barulhos, bicicletas, motos etc. Existe uma infinidade de fatores que desencadeiam a reatividade em cães, mas o resultado é sempre o mesmo; um comportamento explosivo e sem controle. Quem já teve, ou tem cães com esse comportamento, sabe o quanto é difícil intervir nessa hora, já que o cão foca totalmente no estímulo que dispara a reação e esquece do resto. Mais uma vez, a energia calma e assertiva, vai te ajudar a se manter objetivo, mas sem uma ferramenta de intervenção de valor, você só pode contar com a sua capacidade física de intervir, e na maioria das vezes isso não é o suficiente.

Esses são apenas alguns dos cenários aonde você pode se ver sem muitas alternativas de intervenção, e é ai que começam os casos ditos “irreparáveis” ou sem solução. Por mais que possam parecer casos graves, todos começaram com pequenos sinais, e nesses momentos, sem uma intervenção de valor, o comportamento escala até chegar nos itens descritos acima. 

Pessoas que tem uma boa energia, calma e assertiva, são pessoas que conduzem bem situações de estresse, ou seja, em momentos de tensão, elas conseguem ser mais objetivas e menos emotivas, tendo assim mais clareza para criar estratégias de reação adequadas e efetivas. Veja que a energia por si só não resolve o problema, é preciso agir também, e é ai que muitas pessoas tem dificuldades. 

Quando é implementado o uso de ferramentas de treinamento com coleiras eletrônicas, prong collars e até mesmo as guias unificadas, nós humanos temos nas mãos a habilidade de intervir de forma mais objetiva e eficaz, tendo mais resultados positivos, gerando assim o aumento da sensação de conquista frente ao obstáculo do comportamento negativo. Mas essas ferramentas não machucam os cães? A resposta é não, essas ferramentas tem a capacidade de criar um desconforto gradual que pode ser mensurado de acordo com a intensidade da reação de cada cão.

Lembre, esses são momentos aonde o cão precisa ser corrigido (intervenção) e se você não consegue interromper esse comportamento manualmente, você vai precisar de alguma ferramenta que tenha esse efeito. Se você não se sente confortável em usar essas ferramentas, se faça as seguintes perguntas;

1.      Meu cão agressivo se solta da guia e ataca outro cão, o que eu faria?

2.    Meu cão possessivo mordeu meu filho pequeno, o que eu faria?

3.    Meu cão reativo atacou minha visita, o que eu faria?

4.    Meu cão inseguro atacou e mordeu uma pessoa na bicicleta, o que eu faria?

Em todas essas situações, a ferramenta usada de forma correta poderia evitar o resultado desastroso de um comportamento negativo.

Para muitos casos, o uso dessas ferramentas pode, além de mudar completamente o convívio do cão em família, salvar vidas. Muitos cães que são rotulados como casos perdidos, podem ter a chance de mudar e voltar a viver em sociedade com uma vida de mais inclusão.

É muito importante que as pessoas entendam a necessidade de criar regras na rotina dos cães, e para isso é preciso ter a capacidade de criar também consequências de valor para que as regras sejam respeitadas, principalmente quando lidamos com casos de modificação comportamental. Cães agressivos, reativos e possessivos (entre outras características) não precisam passar a vida inteira com esse comportamento, eles podem mudar, mas toda mudança requer intervenções, ajustes e alterações de hábitos que precisam ser praticadas diariamente para que o resultado seja real.

Lembre que o uso dessas ferramentas deve ser feito junto com um programa de treinamento focado em mudanças, ou seja, uma nova estruturação de rotina e hábitos do cão aonde vão estar claras as regras de convívio, motivando o que se aprova e corrigindo o que se reprova.

Se você tem um cão com problemas de comportamento, considere um programa de treinamento adequado com o uso das ferramentas certas. O resultado pode ser incrível e você vai experimentar a real possibilidade de viver uma vida plena com seu cão.