Pitbulls | Porque a falta de orientação humana pode ser a condenação de muitos cães?

Na última semana, em Montreal no Canadá, foi aprovada mais uma lei para banir os cães da raça Pit Bull. Esse é apenas mais um capítulo de uma estória longa aonde cães de raças poderosas estão sendo eliminados, pouco a pouco.

Hoje, existe uma lista de países aonde Pit Bulls (entre outras raças) são banidos completamente, ou existem restrições severas para sua adoção, comércio e existência em sociedade.

Veja no link a seguir a lista completa com seus detalhes:

  • 1.     Argentina
  • 2.    Partes da Austrália
  • 3.    Partes da Áustria
  • 4.    Bavária
  • 5.    Belarus
  • 6.    Partes da Bélgica
  • 7.     Bermuda
  • 8.    Partes do Brasil - LEI Nº 3205, DE 09 DE ABRIL DE 1999.
  • 9.    Partes da China
  • 10.  Partes do Canada
  • 11.    Dinamarca
  • 12.  Equador
  • 13.  Finlândia
  • 14.  França
  • 15.  Alemanha – Pitbulls são banidos em 15 das 16 províncias alemãs.
  • 16.  Guayana
  • 17.   Irlanda
  • 18.  Israel
  • 19.  Itália
  • 20. Partes doJapão
  • 21.  Latvia
  • 22. Liechtenstein
  • 23. Malásia
  • 24. Malta
  • 25. Nova Zelândia – Não apenas os Pitbulls são banidos, mas outras raças similares não podem ser consideradas para adoção e são sacrificados de acordo.
  • 26. Noruega
  • 27. Polônia
  • 28. Portugal
  • 29. Porto Rico
  • 30. Romênia
  • 31.  Rússia
  • 32. Singapura
  • 33. Espanha
  • 34. Suíça
  • 35. Turquia
  • 36. Emirados Árabes
  • 37. Ucrânia
  • 38. Inglaterra
  • 39. Venezuela

Nenhum país, a não ser o Canadá e Estados Unidos, permite a importação de cães da raça Pit Bull.

Conforme a lista acima cresce, devemos nos atentar para a importância de esclarecer e orientar a sociedade de forma geral sobre convívio com cães, seja a raça qual for.

O número de acidentes envolvendo cães cresce, na minha opinião, porque nós humanos estamos negando as necessidades dos cães, estamos tratando cães como crianças, criando animais sem regras, sem rotina e sem propósito esquecendo quem eles são como espécie.

Todos os cães, independente da raça, precisam de instrução, de orientação e regras e de humanos conscientes, que sabem o que estão fazendo com esses animais. As relações extremistas baseadas só em amor e liberdade de escolha, ou só em violência e cárcere constante geram os problemas de comportamento nos cães, que se materializam nesses acidentes, as vezes letais.

Muito se discute, principalmente nas comunidades de profissionais da área, sobre o uso de ferramentas, sobre métodos positivos e aversivos, sobre quem está certo e quem está errado. Enquanto isso cães estão morrendo, todos os dias, simplesmente porque nós humanos não conseguimos chegar num acordo que, de fato, beneficie esses animais.

Hoje meu apelo vai para todos, que realmente amam esses animais, e querem fazer a diferença por eles; estudem, pratiquem, se informem, se eduquem e mais importante de tudo, compartilhem seu conhecimento. A melhor forma de ajudar os cães e vencer essas barreiras é criar comunidades esclarecidas, aonde as pessoas saibam como viver com cães, saibam como lidar com eles, e saibam educar seus filhos a fazerem o mesmo.

Todos nós temos a habilidade de fazer mais e melhor por nossos cães, todos podemos ajudar nossas comunidades a entender que cães, de raças poderosas ou não, são animais, que precisam aprender a viver conosco, precisam entender como lidar com situações da vida doméstica e social com nossa instrução e liderança.

Quanto mais informação de valor for compartilhada, mais chances esses cães tem de sobreviver. Banir raças nada mais é do que negar a nossa inaptidão e inabilidade de conviver e manusear cães da forma errada, ou seja, deixamos de assumir nosso erro e sacrificamos cães que podem ser grandes companheiros.  

Reflitam sobre isso, e vejam que para muitos desses cães ainda existe uma chance, e se fizermos a nossa parte, de forma construtiva, podemos mudar o mundo e salvar vidas.